Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 21 DE FEVEREIRO DE 2018

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  21/02/2018   Procon quer reduzir tarifa da Trensurb - EMPRESA SINALIZOU possibilidade de diminuir valores, cujo aumento foi de 94% neste mês.     21/02/2018   Coleta itinerante de eletrônicos - A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos promove no próximo sábado, a Coleta Itinerante de Resíduos ...     21/02/2018   Obras da Copa voltam ao horizonte - Prefeitura assinou empréstimo com Banrisul de R$ 120 milhões para pagar construtoras que haviam parad...     20/02/2018   GM vai aumentar produção em São Caetano, que terá carros inéditos a partir de 2020 - Dentro de 1 ano, montadora passará a fabricar 330 mi...     20/02/2018   INFRAERO LANÇA LICITAÇÕES NO SUL - A Infraero publicou os editais de licitação para a concessão dos terminais de carga (Teca) dos aeropor...     20/02/2018   AMAZON NEGOCIA GALPÃO NO BRASIL - O grupo americano de varejo online Amazon.com está transferindo as operações logísticas no Brasil para ...     20/02/2018   ALCIS É PARCEIRO GOLD DA ORACLE - A ALCIS, sócia-apoiadora da Abralog, iniciou em 2017 um processo de certificação na ORACLE. Registrou o...     20/02/2018   CNL SERÁ JUNTO COM A INTERMODAL - Nova parceira da UBM, a Associação Brasileira de Logística, a Abralog, realiza sua XXI Conferência Naci...     20/02/2018   2018: ano de investir no transporte - Leia a primeira parte da entrevista concedida pelo presidente da CNT, Clésio Andrade, à edição de j...     20/02/2018   Presidente da CNT fala sobre os 25 anos do SEST SENAT - Leia a segunda parte da entrevista de Clésio Andrade concedida à Revista CNT Tran...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

11/10/2017

Perigo nas águas

Multimodalidade

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

?

0 votos

Recentes casos de naufrágios chamam atenção para a segurança no transporte de passageiros; embarcações e terminais precários e fiscalização deficitária são entraves.

Os recentes acidentes envolvendo embarcações nos Estados do Pará e da Bahia deixaram pelo menos 50 mortos e chamaram a atenção para a necessidade de mudanças e medidas mais rigorosas na proteção de passageiros e de tripulações que utilizam esse meio de transporte. Segundo a Marinha do Brasil, de janeiro a agosto deste ano, foram registrados 107 naufrágios no país – contra 95 casos no mesmo período de 2016, um crescimento de 12,63%.

Apesar de não deter o maior número de acidentes, a região amazônica amarga o maior índice de vítimas fatais nos últimos dez anos: 708, de acordo com o Ministério da Saúde — somente no Pará (186) e no Amazonas (421), em uma década, 607 pessoas morreram em naufrágios. Em todo o país, foram 1.289 mortes em acidentes dessa natureza no período. Quem utiliza esse meio de transporte o faz por falta de opção e revela o constante temor pela integridade física. Veja o vídeo no final da reportagem.

O cenário inspira cuidados e preocupação, e um aspecto regional contribui decisivamente para esse quadro de incertezas. O transporte de passageiros é realizado, em grande volume, em embarcações tipicamente construídas de madeira. “Há uma cultura de carpintaria naval que é passada entre as famílias. Essa transferência de ‘ensino empírico’, por assim dizer, permite que as embarcações continuem sendo construídas a um custo que a comunidade ribeirinha tenha condições tanto para construção quanto para, depois, conseguir se deslocar pela região”, explica o diretor da faculdade de engenharia naval da UFPA (Universidade Federal do Pará) e especialista em tecnologia de construção naval, Pedro Lameira.  O problema, avalia, é que, na maior parte dos casos, as embarcações são construídas sem um projeto adequado.

Pelos 15 rios que cortam o Pará, navegam diariamente cerca de 30 mil embarcações autorizadas pela Marinha, mas a Arcon-PA (Agência Estadual de Regulação e Controle de Serviços Públicos) liberou, até agosto, apenas 128 para o transporte de passageiros no Estado, o que dá margem para práticas clandestinas. O secretário estadual de Transporte do Pará, Kléber Menezes, informa, contudo, que toda e qualquer embarcação na região, por menor que seja, dispõe de cartão de tripulação, alertas sobre a capacidade efetiva de lotação e telefone da Capitania dos Portos e da agência de regulação do Estado. Para ele, o que falta é conscientização.

Em casos de naufrágio, a Marinha informou que a primeira medida adotada pela Capitania dos Portos é o envio de embarcações e mobilização dos meios necessários para auxiliar nas buscas e nos salvamentos. Em uma outra frente, instaura-se um inquérito administrativo a fim de apontar as causas e as responsabilidades do acidente. De acordo com números do órgão, 72% dos casos ocorrem por imprudência, imperícia ou negligência. 

Soluções

Para o presidente do Sindarpa (Sindicato dos Armadores do Pará), Eduardo Lobato Carvalho, a segurança das embarcações passa por uma necessária ação política em associação com as autoridades pertinentes, tanto do ponto de vista da tecnologia das embarcações quanto da operação. 

De acordo com autoridades e especialistas ouvidos pela reportagem, também são necessárias medidas visando à utilização correta das instruções de segurança que já existem, e a implementação de novas. “No caso da navegação interior, no momento de um possível sinistro, é necessário ter uma distribuição de peso, acesso rápido aos equipamentos de salvatagem, a população deve ser colocada em lugares estratégicos para fácil saída em caso de emergência”, diz Lameira, concluindo que se trata de procedimentos que, hoje, devem ser enraizados na população.
 
Diego Gomes
Agência CNT de Notícias

 

Por Agência CNT de Notícias

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

Procon quer reduzir tarifa da Trensurb

ANTT aprova plano de outorga da Ferrovia Norte-Sul

Começa primeira certificação internacional voltada para o setor ferroviário

Metrô: debate previsto para 2 de março

Russos vão disputar concessão da Ferrovia Norte-Sul, que ligará SP a TO

Coleta itinerante de eletrônicos

Obras da Copa voltam ao horizonte

GM vai aumentar produção em São Caetano, que terá carros inéditos a partir de 2020

INFRAERO LANÇA LICITAÇÕES NO SUL

AMAZON NEGOCIA GALPÃO NO BRASIL

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística